Sustentabilidade só acontece com gestão de resíduos

Espaço de aprendizagem WITZLER RECICLA

by Alana Gomes Alana Gomes Nenhum comentário

COMPOSTAGEM: VOCÊ SABE O QUE É?

A compostagem é o processo biológico de valorização da matéria orgânica e pode ser considerada um tipo de reciclagem do lixo orgânico. Ela acontece por meio de um processo natural, em que os micro-organismos, como fungos e bactérias, são responsáveis por degradaram a matéria orgânica.

A prática da compostagem não é algo novo, há muito tempo agricultores utilizam esse método para transformar o lixo orgânico em adubo. Na china, por exemplo, essa prática vem sendo realizada há alguns séculos. No Ocidente, o inglês Sir Albert Howard, em 1920, foi considerado o pai da agricultura e foi o autor do primeiro método de compostagem.

Com a compostagem, além de se evitar a poluição e gerar renda, a matéria orgânica volta a ser utilizada de forma útil.

Compostagem realizada na “Produtos da roça” em Araguari-MG

Em quase todas as atividades da vida do ser humano, resíduos de diversos tipos são gerados, incluindo os resíduos orgânicos. O lixo orgânico “é todo resíduo de origem vegetal ou animal, ou seja, todo lixo originário de um ser vivo. Este tipo de lixo é produzido nas residências, escolas, empresas e pela natureza.” (Fonte: Sua Pesquisa, 2017). Alguns exemplos de lixo orgânico podem ser restos de carnes, vegetais, frutos, cascas de ovos, papel, madeira, ossos, sementes entre outros.

Pelo lixo orgânico ser produzido com grande frequência, muitas pessoas, acreditam que ele pode ser descartado em lixões comuns e aterros sem problemas para o meio ambiente. Contudo, não é simples assim. O descarte incorreto desse tipo de material prejudica a natureza e a saúde das pessoas.

Os resíduos orgânicos precisam ser tratados com cuidado e destinados corretamente. Caso contrário, o descarte incorreto pode ocasionar o mau cheiro, desenvolvimento de bactérias e fungos, aparecimento de ratos e insetos, surgimento de doenças e a contaminação do solo e da água.

No Brasil, de acordo com o site Ecycle, mais da metade de resíduos gerada, é orgânico. Com a compostagem, o volume de resíduos que vai para aterros e lixões indevidos pode diminuir. Com isso, diminuindo também a poluição do meio ambiente.

Compostagem realizada na “Produtos da roça” em Araguari-MG.

COMO A COMPOSTAGEM ACONTECE?

A compostagem é realizada com o uso dos próprios microrganismos presentes nos resíduos, em condições propícias de temperatura, aeração e umidade. O tratamento de resíduos orgânicos é realizado pela atividade de microrganismos aeróbios presentes nos próprios resíduos.

A decomposição da matéria orgânica envolve processos físicos e químicos. De acordo com o site Recicloteca, “os processos físicos são realizados por invertebrados como ácaros, centopéias, besouros, minhocas, lesmas e caracóis que transformam os resíduos em pequenas partículas. Já os processos químicos, incluem a ação de bactérias, fungos e alguns protozoários que degradam os resíduos orgânicos em partículas menores, dióxido de carbono e água”.

COMPOSTAGEM: O QUE PODE E O QUE NÃO PODE

Não é todo material que pode servir matéria-prima no processo de compostagem. Fique atento!

O que pode:

  • Restos e cascas de frutas, legumes e verduras;
  • Saquinho de chá;
  • Bagaço de cana;
  • Restos ou migalhas de pães ou biscoitos;
  • Esterco de galinha, gado ou cavalo (animais herbívoros);
  • Pó de café inclusive o coador de papel;
  • Restos de grãos ou farinhas crus;
  • Aparas de ervas raízes ou capim seco;
  •  Restos de podas e jardinagem;
  • Cascas de árvores
  • Arbustos e árvores;
  • Grama seca.

O que não pode:

  • Fezes e urina humana e de animais domésticos;
  • Produtos químicos em geral;
  • Papel colorido;
  • Saquinho e conteúdo do aspirador;
  • Remédios;
  • Madeira tratada com pesticida ou verniz.

PRODUTOS DA ROÇA: UM BOM CASO DE COMPOSTAGEM

Na compostagem há a transformação das características do material em produtos ricos em nutrientes e úteis para outros segmentos, como o adubo com qualidade e eficiência comprovadas.

A empresa de adubos “Produtos da roça”, de Araguari – Minas Gerais, é bom exemplo da prática da compostagem. Há 30 anos trabalhando com a compostagem, o proprietário da empresa, Sebastião Pereira de Lima, beneficia o meio ambiente produzindo adubo orgânico.

Compostagem realizada na “Produtos da roça” em Araguari-MG

“Os produtos que utilizamos aqui vem de frigoríficos, indústrias alimentícias, indústrias de óleo em geral. Nós trabalhos somente com grandes volumes, por isso, recebemos esses resíduos das empresas que precisam dar destino correto aos seus produtos”, conta Sebastião.

Na “Produtos da roça”, eles prezam pela sustentabilidade e pelo meio ambiente. Ao realizar a compostagem, eles evitam que muitos resíduos vão para aterros e lixões e prejudiquem a água, o solo e a natureza em geral.

O adubo produzido por eles, pode ser utilizado em qualquer tipo de plantação e é capaz de levar ricos e naturais nutrientes e como afirma Sebastião, “servir como um bom alimento para as plantas”.

Compostagem

A compostagem é alternativa ambientalmente correta, segura e definitiva, que contribui e atende à Política Nacional de Resíduos Sólidos. Os aterros e lixões não são a única alternativa! A gestão correta de resíduos oferece infinitas possibilidades para quem busca descartar seus materiais de forma consciente! A Witzler incentiva a compostagem como uma solução ambiental sustentável!

Entre em contato conosco e conheça todas as possibilidades que poder se adequar ao seu negócio!

Rua Iracema Cândida Posca 1-110, Distrito Industrial III – 17064864 – Bauru/SP.

(14) 3223-8722

Facebook

Instagram

Produtos da Roça – Araguari/ Minas Gerais

(34) 99884-8469

Falar com Sebastião Pereira de Lima

by Alana Gomes Alana Gomes Nenhum comentário

Lixo eletrônico: saiba mais!

O lixo eletrônico é um problema dos dias atuais e a tecnologia, responsável por tantos benefícios, acaba por acarretar prejuízos sociais e ambientais.

Isso se deve, pelas formas de consumo na sociedade terem se alterado profundamente. Há anos atrás, celulares, computadores, notebooks e outros aparelhos eram de difícil acesso e possuíam valor elevado. Com a popularização e o barateamento das tecnologias, maior número de pessoas passaram a possuir esses bens.

Diante de todos os benefícios ocasionados pelo maior acesso aos aparelhos eletrônicos, uma nova demanda ambiental foi criada. Essa demanda corresponde a preocupação em destinar corretamente esses aparelhos, não deixando que eles tenham o mesmo destino que o lixo comum.

 

eletrônico

O lixo eletrônico, nada mais é do que resíduo material produzido pelo descarte de equipamentos eletrônicos. Alguns exemplos de lixo eletrônico: computadores, telefones celulares e baterias, notebooks, televisores, câmeras fotográficas, impressoras etc.

A produção desse tipo de resíduo aumenta a cada ano. Segundo o site Free the essence, “De acordo com a ONU, só em 2017 o mundo deverá descartar ao menos 50 milhões de toneladas de lixo eletrônico. Só a América Latina é responsável por 9% do material descartado.  E, no continente, o Brasil é o campeão com 36% de participação e 1,4 milhão de tonelada descartada só em 2014.

Os altos números preocupam ainda mais quando a situação de descarte irregular e ilegal aparece nesse cenário. Segundo um relatório divulgado pela ONU recentemente, é apontado que entre 60% e 90% dos resíduos eletrônicos de todo o mundo são descartados ilegalmente ou jogados de forma incorreta no lixo. Isso pode ocasionar problemas sociais, ambientais e sanitários.

Prejuízos do descarte incorreto

Na fabricação desses aparelhos tecnológicos, são utilizadas substâncias que lhes conferem durabilidade, desempenho, proteção. Quando esses produtos são descartados, estes mesmos elementos podem representar sérios riscos à natureza e ao homem.

O lixo eletrônico possui uma série de componentes nocivos. O Chumbo, Mercúrio, cádmio e arsênico são exemplos de alguns dos metais pesados presentes nesse tipo de material.

Quando descartados de forma incorreta, no lixo comum ou em aterros, as substâncias tóxicas podem ser liberadas e contaminar o solo e atingir os lençóis freáticos. Caso essa água venha a ser utilizada na irrigação, criação de gado ou mesmo no abastecimento público, o homem pode ser afetado.

Ainda, esses componentes são prejudiciais à vida humana, podendo contaminar diretamente catadores e pessoas que entram em contato com esse resíduo. Segundo a Época, as substâncias tóxicas presentes em computadores e celulares podem causar sérios danos. Fique atento:

  • Chumbo – Prejudicial ao cérebro e ao sistema nervoso. Afeta sangue, rins, sistema digestivo e reprodutor.
  • Cádmio – É um agente cancerígeno. Acumula-se nos rins, no fígado e nos ossos, o que pode causar osteoporose, irritação nos pulmões, distúrbios neurológicos e redução imunológica.
  • Níquel – Causa irritação nos pulmões, bronquite crônica, reações alérgicas, ataques asmáticos e problema no fígado e no sangue.
  • Mercúrio – Prejudica o fígado e causa distúrbios neurológicos, como tremores, vertigens, irritabilidade e depressão.
  • Zinco Produz secura na garganta, tosse, fraqueza, dor generalizada, arrepios, febre, náusea e vômito.

Lixo eletrônico coletado pela Witzler

Onde e como descartar?

Segundo o Free the essence “O primeiro passo é separar o lixo já em casa. O que tiver compostos eletrônicos deve ser colocado em um saquinho separado e, em hipótese alguma, deve ser misturado aos resíduos comuns, principalmente aos orgânicos.”

Após isso, o correto é fazer o descarte de lixo eletrônico em locais apropriados como, por exemplo, empresas especializadas ou cooperativas que atuam na área de reciclagem. Ainda, existem universidades e estabelecimentos comerciais que recolhem esses materiais e os destinam corretamente.

Procure informações na prefeitura de sua cidade e na internet e aja corretamente! São atitudes simples que beneficiam sua vida e o meio ambiente!

Algumas dicas:

– Algumas empresas de telefonia celular recolhem os aparelhos que não estão mais em uso e encaminham estes resíduos de forma a não provocar danos ao meio ambiente.

– Seja consciente e troque seus aparelhos eletrônicos somente quando tiver necessidade.

– Na hora da compra de um aparelho eletrônico, busque informações além de seu preço. Pesquise como ele é produzido e se a empresa cuida do meio ambiente.

– Outra opção é doar equipamentos em boas condições, mas que não estão mais em uso. Há muitas pessoas que ficarão felizes em recebê-los e darão novas utilidades para eles.

Lixo eletrônico e o trabalho da Witzler

A Witzler Soluções Ambientais realiza a coleta, transporte, processamento e destinação final dos resíduos de equipamentos eletroeletrônicos (REEE). Todas as etapas do processo são certificadas e geridas com responsabilidade socioambiental.

eletrônico

Lixo eletrônico coletado e armazenado pela Witzler

Quer saber mais sobre o descarte de lixo eletrônico? Entre em contato conosco! Possuímos diversas soluções ambientais para o seu negócio!

Rua Iracema Cândida Posca 1-110, Distrito Industrial III – 17064864 – Bauru/SP.

(14) 3223-8722

Facebook

Instagram

 

by Alana Gomes Alana Gomes Nenhum comentário

GESTÃO DE RESÍDUOS DE SAÚDE

Todos os segmentos da sociedade geram resíduos, com o setor da saúde isso não é diferente. Ao realizar suas atividades, farmácias, hospitais, laboratórios, clínicas etc, produzem resíduos de saúde que, precisam de cuidados específicos.

Os resíduos de saúde, na maioria das vezes, são infecciosos e podem causar danos ao meio ambiente e à saúde. Diante disso, há legislações específicas que regulam sua gestão e processos que facilitam a destinação ambientalmente correta.

Resíduos de saúde

COMO GERIR OS RESÍDUOS DE SAÚDE?

A Resolução da Diretoria Colegiada, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária/ANVISA de 2004, dá diretrizes para o gerenciamento dos resíduos de serviços de saúde. Ela propõe um conjunto de procedimentos de gestão que buscam minimizar a produção dos resíduos de saúde e fazer com os que já foram gerados, tenham uma destinação correta. Essa resolução ainda busca proteger os trabalhadores que lidam diretamente com esses materiais e o meio ambiente.

Com ela, há também uma classificação dos resíduos de saúde. A partir disso, é estabelecido qual devido gerenciamento a ser dado para cada um. Conheça a classificação segundo o site da câmara dos deputados:

  • Grupo A: resíduos com a possível presença de agentes biológicos que, por suas características, podem apresentar risco de infecção.
  • Grupo B: resíduos contendo substâncias químicas que podem apresentar risco à saúde pública ou ao meio ambiente.
  • Grupo C: resíduos contaminados com radionuclídeos, provenientes de laboratório de análises clínicas, serviços de medicina nuclear e radioterapia.
  • Grupo D: resíduos que não apresentem risco biológico, químico ou radiológico à saúde ou ao meio ambiente, podendo ser equiparados aos resíduos domiciliares.
  • Grupo E: materiais perfurocortantes ou escarificantes, tais como agulhas e lâminas de vidro, contaminados ou não.

Devido à alta periculosidade desse tipo de resíduo, ele não pode ser destinado ao lixo comum. Os resíduos de saúde devem passar por processos que começam nos locais em que foram gerados e que vão até a descontaminação  e destinação final desse material.

Segundo a Fio Cruz, “O gerenciamento inicia pelo planejamento dos recursos físicos e dos recursos materiais necessários, culminando na capacitação dos recursos humanos envolvidos. Todo laboratório gerador deve elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde – PGRSS, baseado nas características dos resíduos gerados.”

A partir disso, o manejo dos resíduos é uma etapa fundamental para o bom gerenciamento. Através dele, aspectos intra e extra estabelecimento são levados em conta para que os resíduos de saúde não contaminem nenhum organismo.

Resíduos de saúde

 

MANEJO DOS RESÍDUOS DE SAÚDE

Conheça as etapas do manejo dos resíduos de saúde segundo a Fio Cruz:

  • Segregação: Separação dos resíduos no momento e local em que foram gerados de acordo com suas características e riscos.
  • Acondicionamento: Embalagem dos resíduos em recipientes impermeáveis e que evitem vazamentos. Esse processo deve levar em conta as especificações de armazenamento da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
  • Identificação: Identificação dos tipos de resíduos contidos nos recipientes de forma que a visualização seja clara, utilizando símbolos e cores que atendam os padrões da ABNT. Cada grupo de resíduos que citamos acima (A, B, C, D e E) possui símbolos específicos que indicam sua periculosidade
  • Transporte interno: Translado dos resíduos de onde eles foram gerados para o local de armazenamento temporário. Nesse transporte tudo deve ser controlado.
  • Armazenamento temporário: É o armazenamento temporário dos resíduos já condicionados.
  • Tratamento:  Descontaminação dos resíduos no local de geração, a fim de modificar as características químicas, físicas ou biológicas dos resíduos.
  • Armazenamento externo: Armazenamento dos recipientes em local seguro até que a coleta seja realizada.
  • Coleta e transporte externos: Consistem na remoção dos resíduos até a unidade de tratamento ou disposição final.
  • Disposição final: Disposição final dos resíduos atendendo as leis vigentes.

Todos esses cuidados são fundamentais para que os resíduos de saúde não se tornem um problema para a sociedade e para o meio ambiente.

O tratamento dos resíduos de saúde é de extrema importância, pois consiste na descontaminação desses materiais, através de meios e etapas que necessitam ser realizadas em locais seguros. Dois bons exemplos de processos que possibilitam a descontaminação desses resíduos são a autoclavagem e a incineração. Vamos conhecê-los!

AUTOCLAVAGEM

A autoclavegem é um processo muito utilizado na gestão dos resíduos de saúde. Ela é utilizada para a esterilização e consiste em manter o material contaminado em contato com um vapor de água em temperatura elevada, por um período de tempo suficiente para eliminar todos os agentes contaminantes.

De acordo com o site ponto ciência, o aparelho de autoclave é formado por um cilindro metálico resistente, vertical ou horizontal, onde geralmente fica a resistência que aquecerá a água. Ele possui uma tampa que apresenta parafusos de orelhas e permite fechá-la hermeticamente. Em cima da tampa estão a válvulas de segurança e de ar. O aparelho também apresenta uma chave de comando para controlar temperatura e um registro indicador de temperatura e pressão.

resíduos de saúde

Aparelho de autoclavagem

Segundo a Fio Cruz, a autoclavagem é composta pelas seguintes etapas:

– Pre- vácuo

– Admissão de vapor

– Esterelização

– Exaustão lenta

– Arrefecimento da carga

– Descarga do condensado

A autoclavagem pode ser também utilizada na descontaminação de roupas e instrumentos médicos e cirúrgicos e em diversos materiais, reutilizáveis ou descartáveis, contaminados lavados ou colocados no lixo.

resíduos de saúde

Aparelho de autoclavagem

 

 

INCINERAÇÃO

Os resíduos de serviço de saúde, muitas vezes, requerem tratamento complexo e que despende gastos exorbitantes e alta tecnologia. A incineração surge como uma boa alternativa nesse cenário, pois através desse procedimento os riscos de contaminação que os resíduos possuem podem ser eliminados.

A incineração elimina resíduos perigosos e contaminantes com segurança. Ela é um processo de eliminação de resíduos perigosos ou contaminantes, classificados conforme a resolução CONAMA nº5/93. Esta técnica consiste na queima controlada dos resíduos e é uma destinação final regulamentada e prevista na Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Os resíduos encaminhados para incineração são considerados perigosos pela NBR 10.004/2004. É importante que ao optar por esse método, seu empreendimento verifique se a empresa escolhida para a gestão de resíduos possui certificações e trabalha de acordo com as leis ambientais.

A destinação de resíduos críticos e contaminantes precisa ser executada com monitoramento, rastreabilidade e corpo técnico especializado.

resíduos de saúde

Aparelho incinerador de resíduos

 

“A autoclave é um processo para esterilizar resíduos contaminados em contato com um vapor de água em temperatura elevada. Enquanto que a incineração é um processo de redução de peso, de volume e de características de periculosidade dos resíduos”. Afirma Neida Arantes, Engenheira Química e Direto da Projeto da Witzler Soluções Ambientais.

A autoclavagem e a incineração são duas boas alternativas na gestão eficaz dos resíduos de saúde. Elas colaboram para que resíduos perigosos e contaminantes não sejam destinados para aterros ou para locais em que não receberão o devido tratamento.

Descartar corretamente é seguir as diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos, instituída pelo Governo Federal. Cada tipo de resíduo possui uma forma destinação adequado, inclusive os resíduos de saúde. A Witzler, com base na sustentabilidade, entende a importância da gestão correta de todos os tipos de resíduos e busca cuidar do meio ambiente e da sociedade.

resíduos de saúde

Quer saber mais sobre a gestão de resíduos? Quer conhecer as soluções que a Witzler oferece? Entre em contato conosco!

Rua Iracema Cândida Posca 1-110, Distrito Industrial III
17064864 Bauru

(14) 3223-8722

Facebook:https://www.facebook.com/wrecicla/

 

by Alana Gomes Alana Gomes Nenhum comentário

TRITURAÇÃO E DESCARACTERIZAÇÃO DE RESÍDUOS

Com a trituração e a descaracterização é possível dar o fim definitivo para os resíduos. Esses processos protegem as organizações fazendo com que os materiais descartados não possam mais ser utilizados.

Materiais confidenciais ou com o logotipo de empresas muitas vezes ocupam espaço nos escritórios e estoques, gerando custos de armazenagem e reduzindo o espaço dos materiais que estão em uso. Eles geralmente apresentam a identidade visual da empresa estampada ou informações confidenciais sobre lucro, estratégias competitivas, informações pessoais etc.

Devido aos riscos envolvidos caso terceiros tenham acesso a eles, esses resíduos não podem ser descartados no lixo comum. É nesse sentido que a trituração e a descaracterização aparecem como alternativas.

Descaracterização resíduos

Resíduos triturados e descaracterizados

O que pode ser triturado e descaracterizado?

Documentos, arquivos, equipamentos de proteção (EPI), materiais de divulgação, protótipos, uniformes, motores de veículos, peças informáticas, sacolas e caixas com a trituração e a descaracterização são descartados de forma confiável.

Com esses processos é possível aliar a segurança e proteção da imagem de seu negócio ao cuidado com o meio ambiente. A trituração e a descaracterização quando realizadas por empresas sérias e ambientalmente responsáveis, atendem as normas ambientais. Assim, possibilitando a destinação final mais adequada para cada tipo de resíduo.

SEGURANÇA PARA SEU NEGÓCIO

Na maioria das vezes, as empresas geram muitos resíduos e produtos que possuem vínculo direto com sua imagem, como por exemplo uniformes, documentos, embalagens entre outros. Esses materiais, ao chegarem ao final de sua vida útil, precisam ser descartados de maneira segura.

As empresas, sejam elas grandes ou pequenas, possuem uma a imagem a zelar. Essa imagem organizacional é responsável pelo reconhecimento dos clientes para com a empresa, estabelecimento de contratos e é capaz de garantir a credibilidade da marca no mercado.

O descarte incorreto de produtos ligados à imagem das empresas pode trazer inúmeros prejuízos. Materiais contendo a identidade visual de uma organização podem ser utilizados para outros fins. Por exemplo, uniformes de empresas de segurança, telefonia, internet e prestação de serviços podem ser usados por pessoas mau intencionadas ou com condutas duvidosas.  Casos como esses geram prejuízos legais e mancham a reputação das organizações. Isso pode acontecer mesmo que elas não tenham sido as responsáveis diretas pelo manuseio indevido desses materiais.

Trituração e descaracterização de resíduos

Resíduos triturados e descaracterizados pela Witzler

Para garantir que a imagem de seu negócio esteja segura, há empresas que realizam a trituração e a descaracterização de resíduos, como a Witzler Soluções Ambientais. A Witzler garante os seguintes benefícios:

– Segurança e transparência no descarte;

– Proteção da imagem da sua empresa;

– Confiabilidade e qualificação do processo;

– Sustentabilidade torna-se parte de sua imagem;

– Toda a responsabilidade social e ambiental é compartilhada.

Ainda, ao optar por esses processos, seu empreendimento colabora com a responsabilidade compartilhada, que é um dos princípios da Política Nacional de Resíduos Sólidos.

 O que é a Responsabilidade compartilhada?

Na responsabilidade compartilhada, a lei institui a responsabilidade aos geradores de resíduo, sejam eles fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes ou cidadãos. Por meio dela, o gerador é responsável por todo processo do resíduo.

Com a responsabilidade compartilhada, se o resíduo de uma empresa for jogado em lugar inapropriado, por culpa dela ou de terceiros, a empresa sofre penalidades. Há muitos casos em que organizações são penalizadas por conta de resíduos destinados incorretamente conterem seu logotipo.

Para zelar pela imagem de seu empreendimento, é interessante ficar atento para onde os resíduos de seu negócio estão sendo destinados.

TRITURAÇÃO E DESCARACTERIZAÇÃO GARANTIDAS

Nesses processos, a Witzler garante a segurança por meio da rastreabilidade, responsabilidade técnica e responsabilidade civil por ser uma empresa que possui um corpo de engenheiros especializados.

Na trituração e na descaracterização, a Witzler coleta o material e realiza seu transporte até a empresa. Na unidade, o material é triturado, perdendo todas características iniciais e transformando-se em resíduos que, na maioria das vezes, podem ser reciclados.

No descarte correto, tudo é controlado! As leis e políticas vigentes regulam o trabalho da Witzler. A empresa oferece para seus clientes garantias de que seu resíduo foi destinado corretamente. Para isso, apresenta relatório de fotos, notas e certificados de que o processo foi realizado da forma mais segura e ambientalmente correta possível.

Trituração e descaracterização de resíduos

Unidade da Witzler em Bauru/SP

 

Quer saber mais sobre a trituração e a descaracterização? Entre em contato conosco! Possuímos diversas soluções ambientais para o seu negócio!

Rua Iracema Cândida Posca 1-110, Distrito Industrial III – 17064864 – Bauru/SP.

(14) 3223-8722

Facebook:https://www.facebook.com/wrecicla/

 

 

 

by Alana Gomes Alana Gomes Nenhum comentário

A PRÁTICA DA GESTÃO DE RESÍDUOS

O desafio da sustentabilidade é aliar, na prática, crescimento econômico e preservação do meio ambiente. Nas teorias ensinadas em salas de aulas de universidades, muitas vezes, os futuros profissionais não são bem preparados para entender a complexidade do cenário ambiental brasileiro.

Muitos problemas ambientais decorrem da crescente quantidade de lixo. A questão do lixo está diretamente ligada ao modelo de desenvolvimento que incentiva o consumo. Segundo dados do Guia do Estudante (2017), as sete bilhões de pessoas que habitam o planeta produzem 1,4 bilhão de toneladas de resíduos sólidos por dia. Nos últimos 30 anos, a produção de lixo cresceu três vezes mais rápido que o número de habitantes.

No Brasil, essa situação também é extremamente preocupante, já que o país perde R$ 120 bilhões por ano ao não reciclar lixo.

A falta de cuidado com os resíduos reflete na economia e principalmente, no meio ambiente. Desse modo, os profissionais atuais precisam estar por dentro das leis e práticas vigentes para garantir que o seu trabalho não prejudique o ecossistema.

A PRÁTICA DA GESTÃO DE RESÍDUOS

Pense verde

DA TEORIA A PRÁTICA

A educação é capaz de promover mudanças. Com ela, é possível despertar consciência crítica e ambiental na sociedade. Muitos cursos que visam formar profissionais para atuar na área ambiental, como por exemplo engenharia, biologia, agronomia etc, buscam em suas grandes curriculares mostrar como é a prática dessas profissões, com todos seus desafios e complexidades.

O dia a dia de profissionais que trabalham com questões ambientais enfrenta a necessidade de conscientizar as pessoas em relação à correta gestão de resíduos. Isso não é uma tarefa fácil, pois ainda muita gente não vê que a responsabilidade em relação ao lixo é de todos.

Outro ponto interessante nesse contexto é a atuação de organizações em busca de práticas mais sustentáveis. As empresas são grandes geradores de resíduos, que na maioria dos casos, não podem ser descartados no lixo comum. Com isso, elas precisam buscar alternativas que façam com que o excedente de materiais por elas produzidos, tenham o fim mais adequado.

É nesse sentido que as teorias que visam preservar o ambiente e os recursos naturais precisam se firmar na prática. Dessa forma, preparar futuros profissionais para que eles saibam atuar mediante à situação ambiental atual é de extrema importância.

COMO AS EMPRESAS PODEM ATUAR DE FORMA AMBIENTALMENTE CORRETA?

Para que as empresas possam exercer suas atividades econômicas e de produção e ao mesmo tempo, não causar danos ao meio ambiente, há algumas diretrizes que regulam suas práticas.

Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)

Um bom exemplo disso é a política Nacional de Resíduos Sólidos, que foi instituída pela lei nº 12.305/10. Essa política contém instrumentos importantes para fazer com o que o país avance no patamar da sustentabilidade. A PNRS incentiva à reciclagem e à reutilização dos resíduos sólidos. Além disso, traz o conceito de Responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos.

Com a responsabilidade compartilhada, se o resíduo de uma empresa for jogado em lugar inapropriado, por culpa dela ou de terceiros, a empresa sofre penalidades. Além de benefícios ao meio ambiente, para zelar também pela imagem das organizações e para que elas estejam dentro da lei, é interessante que os profissionais saibam onde os resíduos de suas empresas estão sendo destinados.

A PRÁTICA DA GESTÃO DE RESÍDUOS

Princípios que devem ser seguidos para colocar em prática a PNRS

Essa política pública, que foi estabelecida em 2010, deu grande suporte para regulamentar a gestão ambiental no Brasil. Seus objetivos são influenciar na diminuição da geração de resíduos e afirmar que todos são responsáveis por eles.

A PNRS também busca uma articulação entre as diferentes esferas do poder público e do setor empresarial com a gestão integrada dos resíduos. Além disso, a conscientização é reforçada. Ela prevê a redução, reutilização, reciclagem e tratamento dos resíduos sólidos.

Contudo, como mencionamos, o dia a dia do trabalho ambiental enfrenta desafios. Com a PNRS isso não é diferente. Essa política, apesar de estar em vigor há 7 anos, ainda luta para acabar com os lixões e aterros. Ela também busca pelas chamadas “cidades verdes” e enfrenta problemas com o baixo engajamento de alguns municípios.

Ao seguir as diretrizes da Política Nacional de Resíduos Sólidos, as empresas passam a atuar de forma ambientalmente correta. Com leis como essa, aliar o desenvolvimento econômico à preservação do meio ambiente torna-se mais fácil.

Ainda, há outras ações que fazem com que a prática da gestão de resíduos seja, de fato, condizente com a preservação ambiental. Como a rastreabilidade de resíduos e a presença de certificações que norteiam algumas práticas em relação ao tema.

A Rastreabilidade

A rastreabilidade é o controle documentado de todas as etapas do descarte de resíduos. Por meio dela, é possível acompanhar todas as etapas do resíduo desde sua origem até a disposição final. Conheça alguns documentos que regulam essa prática:

  • CDR – O Certificado de Destinação de Resíduos
  • MTR – Manifesto de Transporte de Resíduos
  • CADRI – Certificado de Movimentação de Resíduos de Interesse Ambiental
  • Declaração fiscal de não tributação ou nota fiscal de remessa.

Ao praticar a gestão de resíduos responsável, as empresas, através de processos como esses, devem ter controle do transporte, tratamento e disposição final dos resíduos. Além disso, práticas como essas contribuem para que os profissionais atuem dentro das leis ambientais brasileiras.

 

A PRÁTICA DAS EMPRESAS NO TRATAMENTO DOS RESÍDUOS

A gestão de resíduos é um campo amplo e oferece diversas possibilidades de atuação. As empresas e profissionais que atuam nessa área, precisam buscar por cursos e por novos conhecimentos além dos ensinados em sala de aula.  Dessa forma, mantendo-se sempre atualizados e utilizando as inovações tecnológicas em prol da natureza.

Um exemplo do uso da inovação no dia a dia é Witzler Soluções Ambientais. A empresa busca explorar as variedades de atuação que a gestão de resíduos possui. Assim, oferece serviços como o coprocessamento, incineração de resíduos, descaracterização de diversos materiais, descarte de lâmpadas, lixo eletrônico, pilhas e baterias.

Os engenheiros que compõem a Witzler acreditam na importância da gestão correta de resíduos. Além disso, prestam contas de todas as etapas envolvidas no processo de descarte. Com isso, em suas práticas diárias, eles ajudam empresas a serem mais sustentáveis.

A PRÁTICA DA GESTÃO DE RESÍDUOS

Dia a dia de trabalho dos engenheiros que compõem a Witzler

Para tentar levar para os profissionais em formação a importância da consciência ambiental e mostrar como funciona, na prática, a gestão de resíduos, a Witzler em parceria coma faculdade Anhanguera, promoveu na Semana de Engenharia uma palestra sobre o tema realizada na Terça-Feira (17 de Outubro).

A palestra foi ministrada pelo gerente comercial da empresa, Victor Witzler.  A exposição contou com informações de como a inovação aliada à sustentabilidade é capaz transformar o cenário da gestão de resíduos em algo que busque a preservação ambiental.

A PRÁTICA DA GESTÃO DE RESÍDUOS

A PRÁTICA DA GESTÃO DE RESÍDUOS

 

 

Conheça mais o dia a dia da gestão de resíduos! Entre em contato conosco!

Rua Iracema Cândida Posca 1-110, Distrito Industrial III
17064864 Bauru

(14) 3223-8722

Facebook:https://www.facebook.com/wrecicla/

 

 

by Alana Gomes Alana Gomes Nenhum comentário

VIABILIDADE ECONÔMICA DA RECICLAGEM

Com o crescimento da população mundial, aumento do consumo e da produção, grande quantidade de lixo é gerada. Diante disso, uma das necessidades atuais é colocar em prática a sustentabilidade levando em conta a viabilidade econômica dessa prática.

É nesse sentido que a reciclagem se faz importante, como uma alternativa para diminuir a utilização de recursos naturais e preservar o meio ambiente.

A reciclagem é o termo utilizado para designar o reaproveitamento de materiais como matéria-prima para um novo produto. Com ela, é possível economizar energia, diminuir a quantidade de lixo destinado para aterros, gerar empregos, reduzir os custos das matérias-primas industriais etc.

A reciclagem gera não só benefícios econômicos, mas socialmente é capaz de proporcionar melhor qualidade de vida para as pessoas que lidam diretamente com lixo, gerar empregos e promover conscientização em relação à importância de adotar posturas mais sustentáveis.

viabilidade econômica da reciclagem

Lixeiras para recilclagem

 

Apesar de todos os benefícios desse processo, para que um resíduo possa ser, de fato, reciclado, estudos de viabilidade ambiental e viabilidade econômica devem ser realizados.

De acordo com o site Web Sucata (2017), ao analisar economicamente, alguns aspectos devem ser considerados, como por exemplo:

  • Volume de resíduo gerado disponível para a reciclagem;
  • Viabilidade dos custos das etapas de preparo do resíduo antes do processamento, incluindo a coleta, transporte, separação, lavagem e armazenamento;
  • Existência de demanda para o produto resultante da reciclagem;
  • Existência de tecnologia para transformação do resíduo;
  • Custo do processamento e transformação do resíduo em um novo produto, sem prejuízo de suas características e aplicabilidade.

VIABILIDADE ECONÔMICA: PREÇOS DA RECICLAGEM

O CEMPRE (Compromisso Empresarial para Reciclagem), que é uma associação sem fins lucrativos dedicada à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo, elaborou a tabela abaixo com o preço do material reciclável.

viabilidade econômica da reciclagem

Tabela de preços para reciclagem

Como se pode ver na tabela, o preço dos materiais recicláveis variam para cada estado. Outro ponto interessante, é que o valor de determinados materiais são bem maiores do que de outros, por exemplo, economicamente falando, reciclar latas de alumínio apresenta maior viabilidade do que reciclar isopor.

O isopor é reciclável. Porém, muitas empresas que trabalham com reciclagem rejeitam esse material em função do baixo retorno financeiro que ele representa, fazendo com que o isopor não seja reciclado.

Já o metal, presente em muitos produtos utilizados em tarefas do dia a dia, possui bom valor de reciclagem, o que garante seu reaproveitamento na produção do metal reciclado. De acordo com o blog da Iveco,

viabilidade econômica da reciclagem

Metais descartados incorretamente

“O metal reciclado tem praticamente todas as características do metal comum. Ele pode ser reciclado muitas vezes sem perder suas características e qualidade. O alumínio, por exemplo, pode ser usado sem limites. O aço após ser reciclado volta para a cadeia produtiva para ser transformado em latas e peças automotivas, por exemplo.”

A reciclagem é muito interessante economicamente, mas não são só benefícios financeiros que ela possui. “Quando reciclamos o metal ou compramos metal reciclado estamos contribuindo com o meio ambiente, pois este material deixa de ir para os aterros sanitários ou para a natureza (rios, lagos, solo, matas)”. Ainda é apontado no blog.

 

RESÍDUOS RECICLÁVEIS EM ATERROS

Os aterros sanitários não são a única alternativa. Os resíduos deixados nesses locais contaminam o solo, a água e a vegetação. Hoje, uma série de matérias recicláveis ainda vão para aterros. Esses materiais, se destinados corretamente, podem ser reciclados e ganhar novas funcionalidades.

Como aponta o jornal “O Tempo” (2017), a economia brasileira perde cerca de R$ 120 bilhões por ano em produtos que poderiam ser reciclados, mas são destinados para o lixo.

Ainda, segundo dados da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), as regiões Norte e Nordeste do país ainda apresentam os maiores índices de disposição inadequada de resíduos: 75% dos rejeitos nessas regiões são dispostos em lixões e aterros controlados em que o solo não é impermeabilizado. Já a região Sudeste dispõe 45% de seus resíduos sólidos inadequadamente.

Muitos desses materiais destinados incorretamente, poderiam ser utilizados na reciclagem, reduzindo muitos custos com novas matérias-primas e fazendo a economia girar.

Há uma série de outros materiais que muita gente não sabe, mas que podem ser reciclados se não fossem destinados à aterros ou ao lixo comum:

– Arames, pregos, parafusos
– Fios de metal
– Tampas de metal
– Tubos de pasta
– Panelas sem cabo
– Arames
– Chapas de metal
– Objetos de alumínio (janelas, portas, portões etc).
– Fios e objetos de cobre
– Ferragens
– Canos de metal
– Molduras de quadros
– Tampinhas de garrafa
– Tampas metálicas de potes de iogurtes, margarinas, queijos etc
– Papel alumínio

MATERIAIS NÃO RECICLÁVEIS

Muito é falado sobre a importância da reciclagem, mas ainda alguns cidadãos não sabem como descartar corretamente os resíduos. Empresas e órgãos públicos, muitas vezes, também não sabem agir em determinados casos ou não dão a devida atenção para o assunto. Tanto para o lixo residencial quanto para o empresarial, o descarte incorreto gera muitos problemas.

Ao descartar no lixo comum materiais que não passam pelo processo de reciclagem convencional, como pilhas, baterias e lâmpadas, muitos não sabem os riscos que essa prática envolve. Na maioria das vezes, esses materiais vão para aterros e lixões e não recebem tratamento adequado.

viabilidade econômica da reciclagem

Materiais não recicláveis

Diante disso, se faz importante a separação do lixo e a busca por destiná-lo para locais corretos. Para a destinação de alguns matérias, existem empresas especializadas que auxiliam você a descartar corretamente os resíduos, principalmente os não-recicláveis. Um exemplo disso é a Witzler, que trabalha com a gestão responsável de resíduos e seus serviços, apresentam viabilidade econômica para os mais diversos tipos de negócio.

Conheça alguns materiais que não são recicláveis, mas que muitas vezes, são jogados junto ao lixo comum.

 

PAPÉIS

– Papel celofane

– Papel carbono

– Papel Higiênico

– Guardanapos e papel toalha com restos de alimentos

– Papel laminado

– Fraldas descartáveis

– Espuma

– Fotografias

– Fita Crepe

– Saco de cimento

VIDROS, CERÂMICAS E SEMELHANTES 

– Vidro de automóveis

– Vidro de janela

– Espelhos

– Cristais

– Lâmpadas (de todos os tipos)

– Vidro de boxe de banheiro

– Vidro temperado

– Cerâmicas, porcelanas, pirex e louças

– Acrílicos

– Boxes temperados

– Tubo de TV

METAIS

– Latas enferrujadas

– Clipes e grampos

– Esponjas de aço

– Latas de tinta, verniz, inseticida e solvente

– Aerossóis

 

Fique atento para não deixar que materiais como esses, que não são recicláveis, prejudiquem o meio ambiente!

Tem dúvidas sobre a reciclagem ou está precisando de ajuda para descartar os resíduos de sua empresa? Entre em contato com a Witzler Soluções Ambientais! A Witlzer possui tecnologia especializada no descarte de lâmpadas, lixo eletrônico, pilhas e baterias, incineração de resíduos, coprocessamento e muitas outras soluções financeiramente acessíveis.

Entre em contato conosco!

Rua Iracema Cândida Posca 1-110, Distrito Industrial III
17064864 Bauru

(14) 3223-8722

Facebook:https://www.facebook.com/wrecicla/

 

 

by Alana Gomes Alana Gomes Nenhum comentário

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS EM UBERLÂNDIA

OS RESÍDUOS EM UBERLÂNDIA

A má destinação de resíduos é um problema que interfere na realidade de várias cidades do Brasil. O Gerenciamento de resíduos em Uberlândia – MG, isso não é diferente. Por ser a segunda maior cidade do Estado de Minas Gerais e ter quase 700 mil habitantes, a cidade possui alto poder de consumo. Consumo esse que, na maioria das vezes, gera resíduos.

Em Uberlândia, são geradas 476 toneladas de lixo por dia (Diário do Comércio, 2017). A situação se torna crítica quando os resíduos gerados são destinados em locais incorretos. A responsabilidade nesses casos, é de todos! População, poder público e empresas precisam adotar posturas mais conscientes e sustentáveis e buscar por quem oferece alternativas especializadas em descarte correto do lixo, como a Witzler Soluções Ambientais.

Gerenciamento de resíduos em Uberlândia

Uberlândia

A Situação do gerenciamento de resíduos em Uberlândia é ainda mais agravante, pois de acordo com o jornal Diário do Comércio (2017), apenas 1,5% do lixo é reciclado e a cidade possui cerca de 120 pontos de descarte ilegal.

Os prejuízos de práticas como essas são inúmeros. Além disso, extrapolam aspectos ambientais e passam a interferir na realidade econômica e social de uma cidade. Aterros a céu aberto, lixões e lixo acumulado em terrenos clandestinos, fazem com que o aspecto visual seja desfavorecido, ocasionando quedas no turismo.

Ainda, a natureza e a população também sofrem com isso, já que resíduos destinados inadequadamente contaminam a água e o solo. Ainda, o acúmulo de lixo pode servir de abrigo e alimento para animais e insetos que são vetores de doenças.

Destinar corretamente os resíduos é algo previsto por lei e com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, algumas diretrizes foram dadas sobre o assunto. Com isso, a gestão correta se transforma em atitudes simples se empresas especializadas te ajudarem nisso!

 

ATERROS NÃO SÃO A MELHOR SOLUÇÃO. PENSE NISSO!

Os aterros que parecem ser uma alternativa barata no descarte de resíduos, são verdadeiros vilões para preservação da natureza e para sustentabilidade de seu negócio. O Gerenciamento de resíduos em Uberlândia, ainda há uma série desses locais em que o lixo é enterrado e compactado.

Fora os danos a natureza que podem ser acarretados com essa prática, sua empresa pode estar descumprindo leis ambientais quando destina resíduos para esses espaços.

A Witzler Soluções Ambientais possui como meta, encontrar soluções economicamente viáveis e destinar os resíduos de maneira ética e sustentável. Os aterros e lixões não são a única alternativa.

A empresa oferece serviços para diversos segmentos como, hospitais, prefeituras, shoppings, condomínios residenciais, usinas sucroalcooleiras, escolas, universidades, frigoríficos e indústrias em geral. Além disso, possui infraestrutura para armazenamento, central de transbordo, transporte e coleta de materiais perigosos levando às empresas praticidade aliada à segurança.

“Nós temos o objetivo de levar para Uberlândia soluções ambientais com qualidade e utilizar nosso conhecimento para agregar valor no tratamento do resíduo”. Afirma Victor Witzler, engenheiro e diretor comercial da empresa.

A empresa do grupo Witzler, que possui mais 60 anos de experiência, inovação e diversidade de serviços em engenharia, está em Uberlândia desde 2008. Ela ainda utiliza os recursos tecnológicos de forma inteligente a um preço acessível para todos os tipos de negócio e oferece completa rastreabilidade de resíduos, com certificados e notas que te ajudam na prestação de contas à órgãos ambientais.

O COPROCESSAMENTO EM UBERLÂNDIA: SAIBA MAIS!

A Witzler oferece diversos serviços, como: tratamento de lâmpadas, gestão de resíduos industriais; descaracterização de materiais, lixo eletrônico, pilhas e baterias.

Um outro serviço muito importante que foi instalado para o Gerenciamento de resíduos em Uberlândia é o coprocessamento. Esse é o nome dado à queima de resíduos como matéria-prima ou como combustível no processo de fabricação do cimento. Nele, os resíduos são totalmente destruídos.

Com o coprocessamento, resíduos de diversos segmentos, como o industrial, automotivo, agrícola, metalúrgico e têxtil ganham uma nova função. Gerenciamento de resíduos em Uberlândia é tratado com uma melhor solução ambiental.

Através do aproveitamento energético (como combustível) ou como matéria-prima, a utilização de resíduos industriais na fabricação de cimento impacta positivamente na conservação de recursos minerais e na redução do uso de combustíveis. Com ele, muitos materiais deixam de ser destinados para aterros.

“Um resíduo para ser coprocessado precisa ter poder calorífico. Isso significa, ter uma característica propícia para a queima, quando em contato com o fogo, ter bom poder de combustão. Muitos resíduos podem ser coprocessados. São de modo geral, resíduos de borracha, panos com óleo, com graxa, tinta etc”. Complementa o diretor comercial.

A Witzler realiza o coprocessamento contribuindo com a preservação do meio ambiente e seus recursos naturais, pois utiliza combustíveis e matérias-primas alternativos aos tradicionais. 

A Witzler Soluções Ambientais atua levando a sustentabilidade para o seu negócio. Conheça nossas redes sociais e fique por dentro de todos os serviços!

ENTRE EM CONTATO:

Telefone de Uberlândia: (34) 3226-8772 / (34) 99867-8722

Endereço de Uberlândia: Rua João Ascindino da Costa 295, Nossa Sra das Graças, Uberlânda, MG

Site: http://www.witzlerrecicla.com.br/

Facebook:https://www.facebook.com/wrecicla/

 

by Alana Gomes Alana Gomes Nenhum comentário

CONHEÇA O GRUPO WITZLER

GRUPO WITZLER – PASSADO EMPREENDEDOR

Na década de 1950, na cidade de Botucatu – SP, nascia o grupo Witzler. Francisco Witzler, engenheiro apaixonado pela profissão, deu o primeiro passo rumo a uma história de empreendedorismo que perdura até hoje. Com a Oficina & Centro Mecânico, Francisco já criava boas soluções nas áreas Engenharia Elétrica e Mecânica.

Orçamento de Eletro Mecânica da Witzler (1946).

Orçamento de Eletro Mecânica da Witzler (1946).

Pela engenharia ser marca presente no DNA dos Witzler, em meados de 1970, a segunda geração da família passou escrever essa história. Luiz Francisco Witzler, no controle dos negócios, usou de seus conhecimentos para diversificar o ramo de atuação da empresa.

Luiz, queria desbravar o mundo dos negócios e sua vontade de ir além levou a Witzler a atuar na fabricação de transformadores elétricos, fabricação de postes de concreto, serviços de Engenharia Elétrica e pecuária.

A década de 1990 marcou história para a empresa. José Orlando Witzler, presidente do grupo na época, expandiu a área de desenvolvimento de projetos de engenharia e incorporou a área de telecomunicações e torres metálicas.

Após isso, em 1994, a sede de operações da empresa foi transferida para Bauru – SP. A cidade, que fica no centro do estado de São Paulo, passou a ser casa para a empresa oferecer soluções completas de engenharia para todo o Brasil. Ainda, com a expansão e sucesso dos negócios, foi criada, em 2008, uma unidade de operação em Uberlândia, Minas Gerais.

Dos anos 2000 em diante a Witzler Engenharia Elétrica consolidou-se ainda mais e a Witzler ESCO e Witzler Soluções ambientais passaram a compor o grupo Witzler. O resultado dessa história é um misto de tradição, sucesso e futuro promissor.

 

EXPERIÊNCIA E INOVAÇÃO

Os mais de 60 anos de experiência, inovação e diversidade de serviços em engenharia transformaram a empresa em um grupo sólido e que garante confiabilidade e qualidade para todos que usufruem de seus serviços.

O Grupo oferece soluções completas a seus clientes, através de uma equipe de profissionais altamente qualificados para gerenciamento de contratos e obras de engenharia das áreas Elétrica, Telecomunicações, Civil e Ambiental.

O espírito proativo e empreendedor, aliado ao conhecimento dos engenheiros que compõem o grupo, fazem com que cada cliente tenha a melhor solução para seu negócio!

 

Grupo Witzler - Ambiental, Energia e Engenharia

Grupo Witzler – Ambiental, Energia e Engenharia

 

CONHEÇA O GRUPO E SEUS SERVIÇOS!

Entenda como a tradição aliada à inovação podem ajudar o seu negócio.

 

WITZLER ENGENHARIA

A Witzler Engenharia busca garantir a implantação da melhor solução de engenharia voltados para as telecomunicações, são esses:

Engenharia de Telecomunicações: Serviços de Telecomunicação, Projetos de Telecomunicação, Implantação, Estudos de Viabilidade, Etc.

Torres para Telecomunicação: Fabricação e Instalação de torres metálicas estaiada e autoportante.

Witzler do Brasil - Infraestrutura de Telecomunicações

Witzler do Brasil – Infraestrutura de Telecomunicações

Veja mais sobre a Witzler Engenharia.

WITZLER SOLUÇÕES AMBIENTAIS

Não importa qual a área de atuação de sua empresa, a Witzler Soluções Ambientais oferece serviços personalizados para todos os tipos de negócio. São eles:

– Gestão de resíduos

– Coprocessamento

– Incineração de resíduos

– Descaracterização de diversos materiais

– Descarte de lâmpadas, lixo eletrônico, pilhas e baterias.

A Witzler acredita na importância da gestão correta de resíduos e quer levar aos seus clientes um serviço ético e de qualidade. Além disso, a empresa presta contas de todas as etapas envolvidas no processo de descarte e entrega aos clientes notas, relatório de fotos e certificações. Com isso, ela ajuda seu negócio a ser mais sustentável.

A Witzler entrega soluções ambientais as empresas

Veja mais sobre as soluções Ambientais

WITZLER ESCO

A Witzler ESCO (Energy Service Company) é especializada em Serviços de Conservação de Energia, que buscam promover a eficiência energética nas instalações de seus clientes. Seus serviços são:

– Mercado Livre de Energia: É uma alternativa de redução de custos para consumidores com algumas demandas específicas.

– Gestão de energia: Possui como objetivo principal definir e encontrar variáveis de consumo que possam ser controladas, viabilizadas e otimizadas, gerando indicadores e recursos que demonstrem eficiência dos fatores que afetam diretamente o consumo e uso final da energia.

– Representação CCEE (Câmara de Comercialização de Energia Elétrica): Esse serviço busca a otimização dos gastos com energia elétrica no ACL (Ambiente de Comercialização Livre de Energia) por meio de assessoria personalizada por profissionais altamente capacitados.

Witzler Esco – Energia

Veja mais sobre a Witzler Esco.

O grupo Witzler atua em todo território nacional, seja na área ambiental, energética ou elétrica. Pela qualidade de seus serviços, atende clientes de renome, como: Correios, GVT, JBS, Raízen, Vivo Telefônica, Embratel, entre outros.

Ficou interessado nos serviços desse grupo que há quatro gerações oferece soluções inovadoras?

Entre em contato!

Endereço:
Rua Iracema Candido Posca, nº 1-110, Ditrito Industrial III
Cidade/UF:
Bauru – SP
Uberlândia – MG
Telefone:
(14) 3223-8722

 

 

by Alana Gomes Alana Gomes Nenhum comentário

ENTENDA O COPROCESSAMENTO

O QUE É?

Coprocessamento é o nome dado à incineração de resíduos como matéria-prima ou como combustível no processo de fabricação do cimento. Esse processo expandiu-se no Brasil a partir dos anos 90, devido à necessidade de destinar corretamente os resíduos industriais sem prejudicar o meio ambiente.

FOTO

O coprocessamento é uma importante alternativa, pois destrói totalmente os resíduos. Com a eliminação completa, não há mais a obrigação de monitorar o resíduo eternamente. Além disso, com esse processo, muitos materiais deixam de ser destinados para aterros.

A adoção de medidas e processos sustentáveis como este, é estimulada pela Política Nacional dos Resíduos Sólidos (Lei 12.305/10). Além da alta eficiência de destruição, os resíduos deixam de ser aterrados e ainda são usados para gerar calor, diminuindo a utilização de combustíveis fósseis.

Resíduos de diversos segmentos, como o industrial, automotivo, agrícola, metalúrgico e têxtil são utilizados nesse processo. No Brasil, a Legislação 264/99 do CONAMA não permite o coprocessamento de resíduos hospitalares, domésticos não tratados, radioativos, pesticidas, agrotóxicos e explosivos. O coprocessamento representa uma transferência segura desses materiais quando descartados para processos de fabricação de cimento.

Veja exemplos de alguns materiais, de acordo com o site Cimento.org (2017), que podem ser utilizados no coprocessamento:

  • Lama com alumina (alumínio)
  • Lamas siderúrgicas (ferro)
  • Areia de fundição (sílica)
  • Terras de filtragem (sílica)
  • Refratários usados (alumínio)
  • Resíduos da fabricação de vidros (flúor)
  • Gesso, Cinzas e Escórias Solventes, resíduos oleosos e resíduos têxteis
  • Óleos usados (de carro e fábricas)
  • Pneus usados e resíduos de picagem de veículos
  • Graxas, lamas de processos químicos e de destilação
  • Resíduos de empacotamento e de borracha.
  • Resíduos plásticos, de serragem e de papel
  • Lama de esgoto, ossos de animais e grão vencidos

 

ENTENDA O PROCESSO

Como o cimento é fabricado?

A combustão é a parte principal do processo de fabricação de cimento. A queima vai ser responsável por transformar matérias-primas em clínquer. Os fornos de produção de clínquer podem ser utilizados para destinar uma grande variedade de resíduos. Contudo, essa atividade não pode causar impactos ambientais e nem afetar as condições de segurança, saúde pública e nem a qualidade do cimento.

Segundo dados do Coprocessamento.org (2017), “A alta temperatura da chama, o tempo de residência dos gases, a turbulência no interior do forno e vários outros parâmetros da combustão na produção de cimento são ideais e até superiores aos padrões exigidos para a destruição ambientalmente segura de resíduos perigosos.

O coprocessamento de resíduos em fornos de cimento utiliza todos esses parâmetros de maneira integrada ao processo de fabricação de cimento.  Esse processo, não altera a qualidade do cimento e é praticado de forma segura e ambientalmente responsável por empresas especialistas no assunto, como por exemplo a Witzler Soluções Ambientais.

Através do aproveitamento energético (como combustível) ou como matéria-prima, a destinação final dos resíduos no processo de fabricação de cimento impacta positivamente na conservação de recursos minerais e na redução do uso de combustíveis.

 

Cimento pronto sendo utilizado em obras

Legislação

O coprocessamento é regulamentado em âmbito federal e estadual. Em âmbito federal, destacam-se as seguintes resoluções:

  • Resolução CONAMA 264/99 – Coprocessamento em Fornos de Clínquer
  • Resolução CONAMA 316/02 – Sistemas de Tratamento Térmico
  • Resolução CONAMA 258/99 – Pneus

Os Estados que possuem regulamentações próprias são: Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e São Paulo. No estado de São Paulo, não é permitido realizar o coprocessamento por conta da regulamentação da CETESB.

 

BENEFÍCIOS DO COPROCESSAMENTO

De 2000 a 2015, a destruição de resíduos em fornos de cimento cresceu aproximadamente 500%. No Brasil, 1,07 milhão de toneladas de resíduos foram coprocessados em 2015, segundo pesquisa realizada pela ABCP com apoio dos grupos produtores de cimento instalados no Brasil.

O coprocessamento traz uma série de benefícios, que vão desde ambientais e sociais até econômicos. Conheça alguns deles:

– Contribui para a melhoria da saúde pública. Por retirar alguns materiais de circulação, como por exemplo pneus inutilizáveis, elimina focos da dengue.

– Rastreabilidade de resíduos. Com esse processo é possível emitir certificados para a indústria geradora, garantindo a correta destruição do resíduo.

– Arrecadação de impostos.

– Geração de renda e empregos.

– Diminuição de impactos ambientais.

– Preservação de jazidas.

– Redução da emissão de gases que causam o efeito estufa.

– Baixo índice de emissão.

– Eliminação definitiva, técnica e ambientalmente segura de resíduos sem gerar novos resíduos, pois há total incorporação no processo de fabricação de cimento.

– Resíduos não alteram a qualidade do cimento.

– Casos de sucesso. A queima de resíduos em fornos de cimento é amplamente explorada nos Estados Unidos, na Europa e está em expansão na América Latina.

Coprocessamento aliado a sustentabilidade

 

WITZLER E O COPROCESSAMENTO

A correta destinação dos resíduos representa um dos maiores desafios para desenvolvimento sustentável. A Witzler realiza o coprocessamento contribuindo com a preservação do meio ambiente e seus recursos naturais, pois utiliza combustíveis e matérias-primas alternativos aos tradicionais. 

A Witzler Soluções Ambientais ajuda seus clientes nesse processo, garantindo a destruição total de resíduos com segurança e completa rastreabilidade. Além disso, emite certificados que facilitam a prestação de contas ambientais do seu negócio.

Nosso trabalho é garantir que seus resíduos sejam destinados de maneira responsável e legal, através da qualificação de fornecedores do processamento e monitoramento.

Trabalhamos para trazer a melhor solução ambiental para o seu negócio!

Entre em contato conosco!

Rua Iracema Cândida Posca 1-110, Distrito Industrial III
17064864 Bauru

(14) 3223-8722

Facebook:https://www.facebook.com/wrecicla/

by Alana Gomes Alana Gomes Nenhum comentário

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS : A LEI nº 12.305/10

A política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) foi instituída pela lei nº 12.305/10. Ela possui diretrizes que ajudam o Brasil a enfrentar esses problemas, responsabilizando o poder público, empresas, consumidores e geradores de resíduos.

A política contém instrumentos importantes para fazer com o que o país avance no patamar da sustentabilidade. A PNRS incentiva à reciclagem e à reutilização dos resíduos sólidos. Além disso, traz o conceito de Responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida dos produtos.

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Figura 01 – Política Nacional de Resíduos Sólidos

 O que é a Responsabilidade compartilhada?

Na responsabilidade compartilhada, a lei institui a responsabilidade dos geradores de resíduo, sejam eles fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes, do cidadão e das empresas que cuidam do destino dos resíduos sólidos. Por meio dela, o gerador é responsável por todo processo do resíduo.

Com a responsabilidade compartilhada, se o resíduo de uma empresa for jogado em lugar inapropriado, por culpa dela ou de terceiros, a empresa sofre penalidades. Para zelar pela imagem de seu negócio, é interessante que você fique atento para onde os resíduos de seu empreendimento estão sendo destinados. Há muitos casos em organizações são penalizadas por conta de  resíduos destinados incorretamente conterem sua logomarca.

De acordo com o Ministério do Meio Ambiente são objetivos da responsabilidade compartilhada:

– Redução da geração de resíduos sólidos

– Redução do desperdício de materiais

– Redução da Poluição

– Redução dos danos ambientais

Estímulo ao desenvolvimento de mercados, produção e consumo de produtos derivados de materiais reciclados e recicláveis.

Figura 02 – Fonte: Blog Marcos Junghans

Com essa política, a responsabilidade dos resíduos é de todos!

Além disso, ela foi um marco no setor ambiental brasileiro. Ao reunir diretrizes e ações a serem adotadas pelo Governo Federal, isoladamente ou em regime de cooperação com Estados, Distrito Federal, Municípios ou particulares, busca a gestão integrada e o gerenciamento adequado dos resíduos sólidos.

Ainda segundo o Ministério do Meio Ambiente, essa política coloca o Brasil em patamar de igualdade aos principais países desenvolvidos e traz avanços na preservação ambiental.

 

SEUS OBJETIVOS

A Política Nacional de Resíduos Sólidos possui uma série de objetivos que dialogam com alguns setores sociais. Ela incentiva à indústria da reciclagem, fomentando o uso de matérias-primas e visa integrar os catadores de materiais reutilizáveis. A medida também valorizou o trabalho das cooperativas.

A PNRS também busca uma articulação entre as diferentes esferas do poder público e do setor empresarial com a gestão integrada dos resíduos. Além disso, a conscientização é reforçada. Ela prevê a redução, reutilização, reciclagem e tratamento dos resíduos sólidos. Ainda, dá diretrizes para a disposição final adequada dos rejeitos.

Na lei, ainda consta:

– Eliminação dos lixões (prazo esgotou-se em 2014). Contudo, ainda há alguns lixões no Brasil. Um exemplo disso, é que em Brasília há o maior lixão da América Latina.

– Elaboração de um Plano Nacional de Resíduos Sólidos com ampla participação da sociedade. O plano contém metas e estratégias nacionais sobre o tema.

-Criação de um Sistema Nacional de Informações sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos (SINIR). O objetivo desse sistema é armazenar, tratar e fornecer informações que apoiem as funções ou processos de gestão do resíduos.

– Criação de planos de gestão integrada de resíduos sólidos e os planos de gerenciamento de resíduos sólidos nos níveis estadual, municipal e regional.

– Elaboração por parte de empresas de seus Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos.

 

PLANO NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

A lei 12.305/2010, que instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos, propôs a elaboração do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Por meio de um processo de mobilização e participação social, um documento que fornece informações sobre os resíduos no Brasil foi elaborado.

Figura 03 – Apresenta Partes da PNRS, tal como o diagnóstico do Brasil em 2008.

Segundo o SINIR, o documento foi elaborado sob a coordenação do Comitê Interministerial da Política Nacional de Resíduos Sólidos – CI. Composto por 12 ministérios, ele apresentou o diagnóstico atual dos resíduos sólidos no Brasil.

Ademais, nele tem-se o cenário ao qual o Brasil deve chegar até 2031. Ainda, possui diretrizes, estratégias e metas que orientam as ações a serem implantadas sobre a gestão correta dos resíduos sólidos.

Setores públicos, privados e a sociedade discutiram a versão preliminar do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Por meio de audiências públicas regionais e nacionais, muito foi falado e acrescentado ao plano.

Após as discussões e audiências, o documento final conteve 29 diretrizes, 170 estratégias e 28 metas que contemplam as mais variadas problemática dos diversos tipos de resíduos.

Outros planos de resíduos sólidos

A Política Nacional de Resíduos Sólidos dá ênfase ao planejamento em todos os níveis, do nacional ao local. De acordo com a lei, Estados e Municípios só terão acesso a recursos da União destinados ao setor se elaborarem seus Planos. Buscando abarcar as peculiaridades de cada lugar e sua produção de resíduos, foram instituídos outros planos. Conheça:

Planos Estaduais de Resíduos Sólidos

Planos Microrregionais, Metropolitanos ou de Aglomerações Urbanas de Resíduos Sólidos

Planos Intermunicipais de Resíduos Sólidos

Planos Municipais de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

Planos de Gerenciamento de Resíduos Sólidos

 

SEU EMPREENDIMENTO DENTRO DA LEI

Em busca de harmonizar o crescimento econômico e proteção ao meio ambiente, a PNRS determina que a problemática dos resíduos sólidos será enfrentada por pessoas físicas ou jurídicas. Sejam elas de direito público ou privado, de maneira conjunta.

Pela PNRS, as empresas precisam descrever o ciclo de vida de seu produto e como os resíduos gerados em sua produção são destinados e tratados.

A política torna obrigatória a elaboração de um plano de gerenciamento de resíduos sólidos por parte de determinados empreendimentos.  Isso é feito de acordo com o tipo de resíduos gerados por eles, sua periculosidade, composição ou volume e outros critérios definidos pela Lei.

No entanto, há uma exceção. O Decreto 7.404, que regulamenta a PNRS, aponta que micro e pequenas empresas (com faturamento anual de até R$ 2,4 milhões) que geram somente resíduos sólidos domiciliares (papel e lixo comum) estão dispensadas de apresentar um plano de gerenciamento de resíduos sólidos.

Logo, para as outras empresas, o plano de gerenciamento é fundamental! Sem ele, sua empresa poderá ser multada e sofrer outras penalidades!

Para fazer com que seu empreendimento funcione dentro da lei, procure empresas responsáveis ambientalmente e que saibam destinar seus resíduos de forma adequada.

A Witzler Soluções Ambientais, atua dentro da PNRS na gestão correta de resíduos e torna a sustentabilidade uma prática acessível para qualquer negócio! Além disso, possui rastreabilidade de resíduos, certificados de segurança, relatórios e notas que te ajudam a comprovar que seus resíduos foram destinados da maneira correta.

Entre em contato conosco e saiba mais!

Top