Entenda o que um produto reciclável precisa para ser reciclado e qual a viabilidade econômica desse processo.

VIABILIDADE ECONÔMICA DA RECICLAGEM

by Alana Gomes

Entenda o que um produto reciclável precisa para ser reciclado e qual a viabilidade econômica desse processo.

VIABILIDADE ECONÔMICA DA RECICLAGEM

by Alana Gomes

by Alana Gomes

Com o crescimento da população mundial, aumento do consumo e da produção, grande quantidade de lixo é gerada. Diante disso, uma das necessidades atuais é colocar em prática a sustentabilidade levando em conta a viabilidade econômica dessa prática.

É nesse sentido que a reciclagem se faz importante, como uma alternativa para diminuir a utilização de recursos naturais e preservar o meio ambiente.

A reciclagem é o termo utilizado para designar o reaproveitamento de materiais como matéria-prima para um novo produto. Com ela, é possível economizar energia, diminuir a quantidade de lixo destinado para aterros, gerar empregos, reduzir os custos das matérias-primas industriais etc.

A reciclagem gera não só benefícios econômicos, mas socialmente é capaz de proporcionar melhor qualidade de vida para as pessoas que lidam diretamente com lixo, gerar empregos e promover conscientização em relação à importância de adotar posturas mais sustentáveis.

viabilidade econômica da reciclagem

Lixeiras para recilclagem

 

Apesar de todos os benefícios desse processo, para que um resíduo possa ser, de fato, reciclado, estudos de viabilidade ambiental e viabilidade econômica devem ser realizados.

De acordo com o site Web Sucata (2017), ao analisar economicamente, alguns aspectos devem ser considerados, como por exemplo:

  • Volume de resíduo gerado disponível para a reciclagem;
  • Viabilidade dos custos das etapas de preparo do resíduo antes do processamento, incluindo a coleta, transporte, separação, lavagem e armazenamento;
  • Existência de demanda para o produto resultante da reciclagem;
  • Existência de tecnologia para transformação do resíduo;
  • Custo do processamento e transformação do resíduo em um novo produto, sem prejuízo de suas características e aplicabilidade.

VIABILIDADE ECONÔMICA: PREÇOS DA RECICLAGEM

O CEMPRE (Compromisso Empresarial para Reciclagem), que é uma associação sem fins lucrativos dedicada à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo, elaborou a tabela abaixo com o preço do material reciclável.

viabilidade econômica da reciclagem

Tabela de preços para reciclagem

Como se pode ver na tabela, o preço dos materiais recicláveis variam para cada estado. Outro ponto interessante, é que o valor de determinados materiais são bem maiores do que de outros, por exemplo, economicamente falando, reciclar latas de alumínio apresenta maior viabilidade do que reciclar isopor.

O isopor é reciclável. Porém, muitas empresas que trabalham com reciclagem rejeitam esse material em função do baixo retorno financeiro que ele representa, fazendo com que o isopor não seja reciclado.

Já o metal, presente em muitos produtos utilizados em tarefas do dia a dia, possui bom valor de reciclagem, o que garante seu reaproveitamento na produção do metal reciclado. De acordo com o blog da Iveco,

viabilidade econômica da reciclagem

Metais descartados incorretamente

“O metal reciclado tem praticamente todas as características do metal comum. Ele pode ser reciclado muitas vezes sem perder suas características e qualidade. O alumínio, por exemplo, pode ser usado sem limites. O aço após ser reciclado volta para a cadeia produtiva para ser transformado em latas e peças automotivas, por exemplo.”

A reciclagem é muito interessante economicamente, mas não são só benefícios financeiros que ela possui. “Quando reciclamos o metal ou compramos metal reciclado estamos contribuindo com o meio ambiente, pois este material deixa de ir para os aterros sanitários ou para a natureza (rios, lagos, solo, matas)”. Ainda é apontado no blog.

 

RESÍDUOS RECICLÁVEIS EM ATERROS

Os aterros sanitários não são a única alternativa. Os resíduos deixados nesses locais contaminam o solo, a água e a vegetação. Hoje, uma série de matérias recicláveis ainda vão para aterros. Esses materiais, se destinados corretamente, podem ser reciclados e ganhar novas funcionalidades.

Como aponta o jornal “O Tempo” (2017), a economia brasileira perde cerca de R$ 120 bilhões por ano em produtos que poderiam ser reciclados, mas são destinados para o lixo.

Ainda, segundo dados da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), as regiões Norte e Nordeste do país ainda apresentam os maiores índices de disposição inadequada de resíduos: 75% dos rejeitos nessas regiões são dispostos em lixões e aterros controlados em que o solo não é impermeabilizado. Já a região Sudeste dispõe 45% de seus resíduos sólidos inadequadamente.

Muitos desses materiais destinados incorretamente, poderiam ser utilizados na reciclagem, reduzindo muitos custos com novas matérias-primas e fazendo a economia girar.

Há uma série de outros materiais que muita gente não sabe, mas que podem ser reciclados se não fossem destinados à aterros ou ao lixo comum:

– Arames, pregos, parafusos
– Fios de metal
– Tampas de metal
– Tubos de pasta
– Panelas sem cabo
– Arames
– Chapas de metal
– Objetos de alumínio (janelas, portas, portões etc).
– Fios e objetos de cobre
– Ferragens
– Canos de metal
– Molduras de quadros
– Tampinhas de garrafa
– Tampas metálicas de potes de iogurtes, margarinas, queijos etc
– Papel alumínio

MATERIAIS NÃO RECICLÁVEIS

Muito é falado sobre a importância da reciclagem, mas ainda alguns cidadãos não sabem como descartar corretamente os resíduos. Empresas e órgãos públicos, muitas vezes, também não sabem agir em determinados casos ou não dão a devida atenção para o assunto. Tanto para o lixo residencial quanto para o empresarial, o descarte incorreto gera muitos problemas.

Ao descartar no lixo comum materiais que não passam pelo processo de reciclagem convencional, como pilhas, baterias e lâmpadas, muitos não sabem os riscos que essa prática envolve. Na maioria das vezes, esses materiais vão para aterros e lixões e não recebem tratamento adequado.

viabilidade econômica da reciclagem

Materiais não recicláveis

Diante disso, se faz importante a separação do lixo e a busca por destiná-lo para locais corretos. Para a destinação de alguns matérias, existem empresas especializadas que auxiliam você a descartar corretamente os resíduos, principalmente os não-recicláveis. Um exemplo disso é a Witzler, que trabalha com a gestão responsável de resíduos e seus serviços, apresentam viabilidade econômica para os mais diversos tipos de negócio.

Conheça alguns materiais que não são recicláveis, mas que muitas vezes, são jogados junto ao lixo comum.

 

PAPÉIS

– Papel celofane

– Papel carbono

– Papel Higiênico

– Guardanapos e papel toalha com restos de alimentos

– Papel laminado

– Fraldas descartáveis

– Espuma

– Fotografias

– Fita Crepe

– Saco de cimento

VIDROS, CERÂMICAS E SEMELHANTES 

– Vidro de automóveis

– Vidro de janela

– Espelhos

– Cristais

– Lâmpadas (de todos os tipos)

– Vidro de boxe de banheiro

– Vidro temperado

– Cerâmicas, porcelanas, pirex e louças

– Acrílicos

– Boxes temperados

– Tubo de TV

METAIS

– Latas enferrujadas

– Clipes e grampos

– Esponjas de aço

– Latas de tinta, verniz, inseticida e solvente

– Aerossóis

 

Fique atento para não deixar que materiais como esses, que não são recicláveis, prejudiquem o meio ambiente!

Tem dúvidas sobre a reciclagem ou está precisando de ajuda para descartar os resíduos de sua empresa? Entre em contato com a Witzler Soluções Ambientais! A Witlzer possui tecnologia especializada no descarte de lâmpadas, lixo eletrônico, pilhas e baterias, incineração de resíduos, coprocessamento e muitas outras soluções financeiramente acessíveis.

Entre em contato conosco!

Rua Iracema Cândida Posca 1-110, Distrito Industrial III
17064864 Bauru

(14) 3223-8722

Facebook:https://www.facebook.com/wrecicla/

 

 

Top